quinta-feira, 27 de julho de 2017

Monólogo de uma sombra

   



   

Augusto dos Anjos - 001 - Monólogo de uma sombra


“Sou uma Sombra! Venho de outras eras,
Do cosmopolitismo das moneras...
Pólipo de recônditas reentrâncias,
Larva de caos telúrico, procedo
Da escuridão do cósmico segredo,
Da substância de todas as substâncias!

A simbiose das coisas me equilibra.
Em minha ignota mônada, ampla, vibra
A alma dos movimentos rotatórios...
E é de mim que decorrem, simultâneas
A saúde das forças subterrâneas
E a morbidez dos seres ilusórios!

Pairando acima dos mundanos tetos,
Não conheço o acidente da Senectus
— Esta universitária sanguessuga
Que produz, sem dispêndio algum de vírus,
O amarelecimento do papirus
E a miséria anatômica da ruga!

Na existência social, possuo uma arma
— O metafisicismo de Abidarma —
E trago, sem bramânicas tesouras,
Como um dorso de azêmola passiva,
A solidariedade subjetiva
De todas as espécies sofredoras.

Com um pouco de saliva quotidiana
Mostro meu nojo à Natureza Humana.
A podridão me serve de Evangelho...
Amo o esterco, os resíduos ruins dos quiosques
E o animal inferior que urra nos bosques
É com certeza meu irmão mais velho!

Tal qual quem para o próprio túmulo olha,
Amarguradamente se me antolha,
À luz do americano plenilúnio,
Na alma crepuscular de minha raça
Como uma vocação para a Desgraça
E um tropismo ancestral para o Infortúnio.

Ai vem sujo, a coçar chagas plebéias,
Trazendo no deserto das idéias
O desespero endêmico do inferno,
Com a cara hirta, tatuada de fuligens,
Esse mineiro doido das origens,
Que se chama o Filósofo Moderno!

Quis compreender, quebrando estéreis normas,
A vida fenomênica das Formas,
Que, iguais a fogos passageiros, luzem...
E apenas encontrou na idéia gasta,
O horror dessa mecânica nefasta,
A que todas as coisas se reduzem!

E hão de achá-lo, amanhã, bestas agrestes,
Sobre a esteira sarcófaga das pestes
A mostrar, já nos últimos momentos,
Como quem se submete a uma charqueada,
Ao clarão tropical da luz danada,
O espólio dos seus dedos peçonhentos.

Tal a finalidade dos estames!
Mas ele viverá, rotos os liames
Dessa estranguladora lei que aperta
Todos os agregados perecíveis,
Nas eterizações indefiníveis
Da energia intra-atômica liberta!

Será calor, causa úbiqua de gozo,
Raio* X, magnetismo misterioso,
Quimiotaxia, ondulação aérea,
Fonte de repulsões e de prazeres,
Sonoridade potencial dos seres,
Estrangulada dentro da matéria!

E o que ele foi: clavículas, abdômen,
O coração, a boca, em síntese, o Homem,
— Engrenagem de vísceras vulgares —
Os dedos carregados de peçonha,
Tudo coube na lógica medonha
Dos apodrecimentos musculares!

A desarrumação dos intestinos
Assombra! Vede-a! Os vermes assassinos
Dentro daquela massa que o húmus come,
Numa glutoneria hedionda, brincam,
Como as cadelas que as dentuças trincam
No espasmo fisiológico da fome.

É uma trágica festa emocionante!
A bacteriologia inventariante
Toma conta do corpo que apodrece...
E até os membros da família engulham,
Vendo as larvas malignas que se embrulham
No cadáver malsão, fazendo um s.

E foi então para isto que esse doudo
Estragou o vibrátil plasma todo,
À guisa de um faquir, pelos cenóbios?!...
Num suicídio graduado, consumir-se,
E após tantas vigílias, reduzir-se
À herança miserável dos micróbios!

Estoutro agora é o sátiro peralta
Que o sensualismo sodomista exalta,
Nutrindo sua infâmia a leite e a trigo...
Como que, em suas células vilíssimas,
Há estratificações requintadíssimas
De uma animalidade sem castigo.

Brancas bacantes bêbedas o beijam.
Suas artérias hírcicas latejam,
Sentindo o odor das carnações abstêmias,
E à noite, vai gozar, ébrio de vício,
No sombrio bazar do meretrício,
O cuspo afrodisíaco das fêmeas.

No horror de sua anômala nevrose,
Toda a sensualidade da simbiose,
Uivando, à noite, em lúbricos arroubos,
Corno no babilônico sansara,
Lembra a fome incoercível que escancara
A mucosa carnívora dos lobos.

Sôfrego, o monstro as vítimas aguarda.
Negra paixão congênita, bastarda,
Do seu zooplasma ofídico resulta...
E explode, igual à luz que o ar acomete,
Com a veemência mavórtica do ariete*
E os arremessos de uma catapulta.

Mas muitas vezes, quando a noite avança,
Hirto, observa através a tênue trança
Dos filamentos fluídicos de um halo
A destra descarnada de um duende,
Que, tateando nas tênebras, se estende
Dentro da noite má, para agarrá-lo!

Cresce-lhe a intracefálica tortura,
E de su’alma na caverna escura,
Fazendo ultra-epiléticos esforços,
Acorda, com os candeeiros apagados,
Numa coreografia de danados,
A família alarmada dos remorsos.

É o despertar de um povo subterrâneo!
É a fauna cavernícola do crânio
— Macbeths da patológica vigília,
Mostrando, em rembrandtescas telas várias,
As incestuosidades sanguinárias
Que ele tem praticado na família.

As alucinações tactis* pululam.
Sente que megatérios o estrangulam...
A asa negra das moscas o horroriza;
E autopsiando a amaríssima existência
Encontra um cancro assíduo na consciência
E três manchas de sangue na camisa!

Míngua-se o combustível da lanterna
E a consciência do sátiro se inferna,
Reconhecendo, bêbedo de sono,
Na própria ânsia dionísica do gozo,
Essa necessidade de horroroso,
Que é talvez propriedade do carbono!
Ah! Dentro de toda a alma existe a prova

De que a dor como um dartro se renova,
Quando o prazer barbaramente a ataca...
Assim também, observa a ciência crua,
Dentro da elipse ignívoma da lua
A realidade de uma esfera opaca.
Somente a Arte, esculpindo a humana mágoa,

Abranda as rochas rígidas, torna água
Todo o fogo telúrico profundo
E reduz, sem que, entanto, a desintegre,
À condição de uma planície alegre,
A aspereza orográfica do mundo!
Provo desta maneira ao mundo odiento

Pelas grandes razões do sentimento,
Sem os métodos da abstrusa ciência fria
E os trovões gritadores da dialética,
Que a mais alta expressão da dor estética
Consiste essencialmente na alegria.
Continua o martírio das criaturas:

— O homicídio nas vielas mais escuras,
— O ferido que a hostil gleba atra escarva,
— O último solilóquio dos suicidas —
E eu sinto a dor de todas essas vidas
Em minha vida anônima de larva!”
Disse isto a Sombra. E, ouvindo estes vocábulos,

Da luz da lua aos pálidos venábulos,
Na ânsia de um nervosíssimo entusiasmo,
Julgava ouvir monótonas corujas
Executando, entre caveiras sujas,
A orquestra arrepiadora* * do sarcasmo!
Era a elégia* ** panteísta do Universo,

Na podridão do sangue humano imerso,
Prostituído talvez, em suas bases...
Era a canção da Natureza exausta,
Chorando e rindo na ironia infausta
Da incoerência infernal daquelas frases.
E o turbilhão de tais fonemas acres

Trovejando grandíloquos massacres,
Há de ferir-me as auditivas portas,
Até que minha efêmera cabeça
Reverta à quietação da treva espessa
E à palidez das fotosferas mortas!

Augusto dos ANJOS (1884 - 1914) - Eu e Outras Poesias.


Augusto dos Anjos é um dos mais originais poetas brasileiros, e também um dos mais populares. Sua obra consiste, porém, em apenas um livro. Eu foi publicado ainda em vida do autor; outros poemas, publicados em periódicos ou inéditos, foram coligidos após sua morte e acrescentados ao volume organizado pelo autor, renomeado então Eu e Outras Poesias . Aclamada pelo público e pela crítica, sua obra foi repudiada por muitos em sua época, e ainda causa estranheza, pela mistura de vocabulário coloquial e científico, pelos temas exacerbadamente macabros e pessimistas, pelo exagero sistemáticos na linguagem e no tratamento dos temas. Não obstante as controvérsias que cercam sua obra, muitos de seus versos caíram no uso popular, tais como um urubu pousou em minha sorte , a mão que afaga é a mesma que apedreja e outros.


   



Recomendamos para você:


Learn To Let Go - Tradução em Português

Learn To Let Go - Traducción al Español

Learn To Let Go - Übersetzung auf Deutsch

Learn To Let Go - Kesha

Learn To Let Go

Luísa Sonza

Olhos Castanhos - Luísa Sonza

Olhos Castanhos - English Translation

Olhos Castanhos - Traducción al Español

Teddy

Teddy - Nacho, Kevin Roldan

Teddy - Tradução em Português

Teddy - English Translation

Believe - A-Trak Feat. Quavo & Lil Yachty

Breaking Music News

Notícias do mundo da música

Em alta - Trends - Hot Videos

Veja: Novo Clipe da música Teddy de Nacho, Kevin Roldan

Watch: Teddy, New video clip from Nacho, Kevin Roldan.

Fetish - Selena Gomez feat. Gucci Mane

Fetish - Tradução em Português

Fetish - Traducción al Español

Fetish - Traduzione in Italiano

Fetish - Traduction en Français

Fetish - Übersetzung auf Deutsch

Fetish - Հայերեն թարգմանությունը

Fetish - перевод по-русски

Fetish - Український переклад

Fetish - Türkçeye Tercüme

Fetish - Magyar fordítás

Fetish - Paghubad Cebuano

Fetish - Превод на српском

Fetish - μετάφραση ελληνικά

Fetish - ترجمه به فارسی

Fetish - الترجمة إلى العربية

Fetish - Vertaling Afrikaans

Fetish - Svensk översättning

Fetish - Nederlandse Vertaling

Fetish - Tłumaczenie Polskie

Fetish - La traducció al Català

Fetish - Oversettelse til Norsk

Fetish - Oversættelse til Dansk

Fetish - Käännöksen suomeksi

Fetish - Dịch sang tiếng Việt

Fetish - 한국어로 번역

Fetish - 翻訳 日本語で

Groupie Love - Lana Del Rey feat. A$AP Rocky

Fetish - Summer Bummer - Lana Del Rey feat. A$AP Rocky, Playboi Carti

Olhos Castanhos - Luísa Sonza

Olhos Castanhos - Luísa Sonza

Letras

Get Low - Zedd feat. Liam Payne

Get Low - Tradução em Português

Get Low - La traducción en Español

Praying - Kesha

Praying - Tradução em Português

Praying - La traducción en Español

Glorious - Macklemore feat. Skylar Grey

New Rules - La traducción en Español

The Story of O.J. - La traducción en Español

Extra Luv - Future feat. YG

Crew - Tradução em Português

Versace On The Floor - Tradução em Português

On Everything - Tradução em Português

Don't Quit - Tradução em Português

Signs - Tradução em Português

Swish Swish - Tradução em Português

Sanderlei Silveira

Wild Thoughts - Tradução em Português

Slippery - Migos Featuring Gucci Mane

Bad And Boujee - Migos Featuring Lil Uzi Vert

Mask Off - Future

Chill Bill - Rob $tone ft. J. Davi$ & Spooks

Real Hitta - Plies feat. Kodak Black

Sanderlei Silveira

#JustGo

#Sanderlei

#SanderleiSilveira

by Sanderlei Silveira -  http://sanderlei.com.br

sexta-feira, 7 de julho de 2017

Robert Burns - A Red, Red Rose

   


Robert Burns - A Red, Red Rose


O my Luve's like a red, red rose,
That's newly sprung in June:
O my Luve's like the melodie,
That's sweetly play'd in tune.

As fair art thou, my bonie lass,
So deep in luve am I;
And I will luve thee still, my dear,
Till a' the seas gang dry.

Till a' the seas gang dry, my dear,
And the rocks melt wi' the sun;
And I will luve thee still, my dear,
While the sands o' life shall run.

And fare-thee-weel, my only Luve!
And fare-thee-weel, a while!
And I will come again, my Luve,
Tho' 'twere ten thousand mile!



Robert Burns - Uma rosa vermelha (PT)


O meu amor é como uma rosa vermelha,
Que acaba de florescer em Junho.
O meu amor é como uma melodia
Docemente tocada com harmonia.

Tão bela tu és, minha maravilhosa donzela,
Tão profundamente apaixonado eu estou
Que eu te amarei ainda, minha amada,
Até que todos os mares sequem.

Até que todos os mares sequem, minha amada.
E as rochas se fundam com o sol;
E eu te amarei ainda, minha amada,
Enquanto as areias da vida correrem.

Mas adeus, meu único amor,
Oh, adeus por algum tempo,
E eu regressarei, meu amor,
Ainda que dez mil léguas nos separem.

Robert Burns (1759–1796)

Foi um poeta Escocês.


   



   



Recomendamos para você:


Praying - Traduction en Français

Praying - Reaction by Dylan Matthews

Praying - Reaction by Dante D'Angelo

Praying - Kesha

Praying - Tradução em Português

Praying - La traducción en Español

Praying - Lyrics

Em alta - Trends - Hot Videos

Birds - Migos

YRH - Migos feat. Rich Homie Quan

No Fuckin With - Migos

Freak No More - Migos

Hot Boy - Migos

Built Like Me - Migos

First 48 - Migos

Payola - Migos

Where Were You - Migos

New Atlanta - Migos feat. Rich Homie Quan, Young Thug, Jermaine Dupri

Migos

Extra Luv - Future feat. YG

Rent Money - Future

Handsome And Wealthy - Migos

Fight Night - Migos

Crew - Tradução em Português

Versace On The Floor - Tradução em Português

On Everything - Tradução em Português

Don't Quit - Tradução em Português

Signs - Tradução em Português

Swish Swish - Tradução em Português

Swish Swish - Estrelando Gretchen

Paradinha - Tradução em Português

Switch - Tradução em Português

História Resumo

Sanderlei Silveira

Wild Thoughts - Tradução em Português

Slippery - Migos Featuring Gucci Mane

Bad And Boujee - Migos Featuring Lil Uzi Vert

Mask Off - Future

Chill Bill - Rob $tone ft. J. Davi$ & Spooks

Real Hitta - Plies feat. Kodak Black

Sanderlei Silveira

PRAYING – TRADUÇÃO EM PORTUGUÊS

PRAYING – KESHA

PRAYING – LA TRADUCCIÓN EN ESPAÑOL

Setor terciário da economia de Santa Catarina

Setor terciário da economia do estado de São Paulo

Turismo em Mato Grosso do Sul

A erva-mate na história do estado do Paraná

A escultura, depois de Alexander Calder

Economia

Amor é fogo que arde sem se ver - Luís Vaz de Camões

Migos - Song Lyrics - Letras Música

Song Lyrics - Letras Música - Tradução em Português

Praying - La traducción en Español

Praying - La traducción en Español

Praying - Kesha

SONG LYRICS

POEMA

BÍBLIA ONLINE

DOM CASMURRO

O Diário de Anne Frank – Fotos

HISTÓRIA

HISTORY

HISTORIA

#JustGo

#Sanderlei

#SanderleiSilveira

by Sanderlei Silveira -  http://sanderlei.com.br

segunda-feira, 3 de julho de 2017

Versos íntimos - Augusto dos Anjos

       

Poemas - Poesia

Versos íntimos - Augusto dos Anjos





Versos íntimos - Augusto dos Anjos


Vês! Ninguém assistiu ao formidável
Enterro de tua última quimera.
Somente a Ingratidão -- esta pantera --
Foi tua companheira inseparável!

Acostuma-te à lama que te espera!
O Homem, que, nesta terra miserável,
Mora, entre feras, sente invevitável
Necessidade de também ser fera.

Toma um fósforo. Acende teu cigarro!
o beijo, amigo, é a véspera do escarro,
A mão que afaga é a mesma que apedreja.
Se a alguém causa inda pena a tua chaga,

Apedreja essa mão vil que te afaga,
Escarra nessa boca que te beija!


Versos íntimos - Augusto dos Anjos




Recomendamos para você:


Versos íntimos - Augusto dos Anjos

O Navio Negreiro

Castro Alves

O Navio Negreiro - Castro Alves

Real Hitta - Plies feat. Kodak Black

Real Hitta - Tradução em Português

Real Hitta - La traducción en Español

Real Hitta

It Ain't My Fault - Brothers Osborne

It Ain't My Fault - Tradução em Português

It Ain't My Fault - La traducción en Español

It Ain't My Fault

What Ifs - Kane Brown Featuring Lauren Alaina

Feel It Still - Portugal. The Man

My Old Man - Tradução em Português

Relationship - Tradução em Português

First Day Out - Tradução em Português

Billboard Hot 100

It's A Vibe - Tradução em Português

Feels - Tradução em Português

Wild Thoughts - DJ Khaled feat. Rihanna & Bryson Tiller

Wild Thoughts - Tradução em Português

Wild Thoughts - La traducción en Español

Wild Thoughts - Song Lyrics

Sanderlei Silveira

Slippery - Migos Featuring Gucci Mane

Bad And Boujee - Migos Featuring Lil Uzi Vert

Closer - The Chainsmokers ft. Halsey

Mask Off - Future

Chill Bill - Rob $tone ft. J. Davi$ & Spooks

Sanderlei Silveira

Canção do exílio - Gonçalves Dias

Amor é fogo que arde sem se ver

Marabá Poema - Gonçalves Dias

Versos íntimos - Augusto dos Anjos

Ismalia - Alphonsus de Guimaraens

Sanderlei Silveira

A representação do espaço paulista

As festas populares no estado de São Paulo

Santa Catarina - Representação e Localização

As festas populares em Santa Catarina

A organização do espaço geográfico brasileiro

Os ciclos da economia do Mato Grosso do Sul

O espaço geográfico e sua organização

O Navio Negreiro - Castro Alves

Canção do exílio - Gonçalves Dias

Amor é fogo que arde sem se ver - Luís Vaz de Camões

Real Hitta - Plies feat. Kodak Black

It Ain't My Fault - Brothers Osborne

What Ifs - Kane Brown Featuring Lauren Alaina

Feel It Still - Tradução em Português

Relationship - Tradução em Português

First Day Out - Tradução em Português

It's A Vibe - 2 Chainz feat. Ty Dolla $ign, Trey Songz & Jhene Aiko

Feels - Calvin Harris feat. Pharrell Williams, Katy Perry & Big Sean

Wild Thoughts - Tradução em Português

Economia

SONG LYRICS

BÍBLIA ONLINE

DOM CASMURRO

O Diário de Anne Frank – Fotos

HISTÓRIA

HISTORY

HISTORIA

#JustGo

#Sanderlei

#SanderleiSilveira

by Sanderlei Silveira -  http://sanderlei.com.br

O Navio Negreiro - Castro Alves

       

Poemas - Poesia

O Navio Negreiro - Castro Alves




O Navio Negreiro - Castro Alves


(Tragédia no mar) 


'Stamos em pleno mar... Doudo no espaço
Brinca o luar — dourada borboleta;
E as vagas após ele correm... cansam
Como turba de infantes inquieta.

'Stamos em pleno mar... Do firmamento
Os astros saltam como espumas de ouro...
O mar em troca acende as ardentias,
— Constelações do líquido tesouro...

'Stamos em pleno mar... Dois infinitos
Ali se estreitam num abraço insano,
Azuis, dourados, plácidos, sublimes...
Qual dos dous é o céu? qual o oceano?...

'Stamos em pleno mar. . . Abrindo as velas
Ao quente arfar das virações marinhas,
Veleiro brigue corre à flor dos mares,
Como roçam na vaga as andorinhas...

Donde vem? onde vai? Das naus errantes
Quem sabe o rumo se é tão grande o espaço?
Neste saara os corcéis o pó levantam,
Galopam, voam, mas não deixam traço.

Bem feliz quem ali pode nest'hora
Sentir deste painel a majestade!
Embaixo — o mar em cima — o firmamento...
E no mar e no céu — a imensidade!

Oh! que doce harmonia traz-me a brisa!
Que música suave ao longe soa!
Meu Deus! como é sublime um canto ardente
Pelas vagas sem fim boiando à toa!

Homens do mar! ó rudes marinheiros,
Tostados pelo sol dos quatro mundos!
Crianças que a procela acalentara
No berço destes pélagos profundos!

Esperai! esperai! deixai que eu beba
Esta selvagem, livre poesia,
Orquestra — é o mar, que ruge pela proa,
E o vento, que nas cordas assobia

Por que foges assim, barco ligeiro?
Por que foges do pávido poeta?
Oh! quem me dera acompanhar-te a esteira
Que semelha no mar — doudo cometa!

Albatroz! Albatroz! águia do oceano,
Tu que dormes das nuvens entre as gazas,
Sacode as penas, Leviathan do espaço,
Albatroz! Albatroz! dá-me estas asas.

II
Que importa do nauta o berço,
Donde é filho, qual seu lar?
Ama a cadência do verso
Que lhe ensina o velho mar!
Cantai! que a morte é divina!
Resvala o brigue à bolina
Como golfinho veloz.
Presa ao mastro da mezena
Saudosa bandeira acena
As vagas que deixa após.

Do Espanhol as cantilenas
Requebradas de langor,
Lembram as moças morenas,
As andaluzas em flor!
Da Itália o filho indolente
Canta Veneza dormente,
— Terra de amor e traição,
Ou do golfo no regaço
Relembra os versos de Tasso,
Junto às lavas do vulcão!

O Inglês — marinheiro frio,
Que ao nascer no mar se achou,
(Porque a Inglaterra é um navio,
Que Deus na Mancha ancorou),
Rijo entoa pátrias glórias,
Lembrando, orgulhoso, histórias
De Nelson e de Aboukir.. .
O Francês — predestinado —
Canta os louros do passado
E os loureiros do porvir!

Os marinheiros Helenos,
Que a vaga jônia criou,
Belos piratas morenos
Do mar que Ulisses cortou,
Homens que Fídias talhara,
Vão cantando em noite clara
Versos que Homero gemeu...
Nautas de todas as plagas,
Vós sabeis achar nas vagas
As melodias do céu!...

III
Desce do espaço imenso, ó águia do oceano!
Desce mais ... inda mais... não pode olhar humano
Como o teu mergulhar no brigue voador!
Mas que vejo eu aí... Que quadro d'amarguras!
É canto funeral! ... Que tétricas figuras! ...
Que cena infame e vil... Meu Deus! Meu Deus! Que horror!

IV
Era um sonho dantesco... o tombadilho
Que das luzernas avermelha o brilho.
Em sangue a se banhar.
Tinir de ferros... estalar de açoite...
Legiões de homens negros como a noite,
Horrendos a dançar...

Negras mulheres, suspendendo às tetas
Magras crianças, cujas bocas pretas
Rega o sangue das mães:
Outras moças, mas nuas e espantadas,
No turbilhão de espectros arrastadas,
Em ânsia e mágoa vãs!

E ri-se a orquestra irônica, estridente...
E da ronda fantástica a serpente
Faz doudas espirais ...
Se o velho arqueja, se no chão resvala,
Ouvem-se gritos... o chicote estala.
E voam mais e mais...

Presa nos elos de uma só cadeia,
A multidão faminta cambaleia,
E chora e dança ali!
Um de raiva delira, outro enlouquece,
Outro, que martírios embrutece,
Cantando, geme e ri!

No entanto o capitão manda a manobra,
E após fitando o céu que se desdobra,
Tão puro sobre o mar,
Diz do fumo entre os densos nevoeiros:
"Vibrai rijo o chicote, marinheiros!
Fazei-os mais dançar!..."

E ri-se a orquestra irônica, estridente. . .
E da ronda fantástica a serpente
Faz doudas espirais...
Qual um sonho dantesco as sombras voam!...
Gritos, ais, maldições, preces ressoam!
E ri-se Satanás!...

V
Senhor Deus dos desgraçados!
Dizei-me vós, Senhor Deus!
Se é loucura... se é verdade
Tanto horror perante os céus?!
Ó mar, por que não apagas
Co'a esponja de tuas vagas
De teu manto este borrão?...
Astros! noites! tempestades!
Rolai das imensidades!
Varrei os mares, tufão!

Quem são estes desgraçados
Que não encontram em vós
Mais que o rir calmo da turba
Que excita a fúria do algoz?
Quem são? Se a estrela se cala,
Se a vaga à pressa resvala
Como um cúmplice fugaz,
Perante a noite confusa...
Dize-o tu, severa Musa,
Musa libérrima, audaz!...

São os filhos do deserto,
Onde a terra esposa a luz.
Onde vive em campo aberto
A tribo dos homens nus...
São os guerreiros ousados
Que com os tigres mosqueados
Combatem na solidão.
Ontem simples, fortes, bravos.
Hoje míseros escravos,
Sem luz, sem ar, sem razão...

São mulheres desgraçadas,
Como Agar o foi também.
Que sedentas, alquebradas,
De longe... bem longe vêm...
Trazendo com tíbios passos,
Filhos e algemas nos braços,
N'alma — lágrimas e fel...
Como Agar sofrendo tanto,
Que nem o leite de pranto
Têm que dar para Ismael.

Lá nas areias infindas,
Das palmeiras no país,
Nasceram crianças lindas,
Viveram moças gentis...
Passa um dia a caravana,
Quando a virgem na cabana
Cisma da noite nos véus ...
...Adeus, ó choça do monte,
...Adeus, palmeiras da fonte!...
...Adeus, amores... adeus!...

Depois, o areal extenso...
Depois, o oceano de pó.
Depois no horizonte imenso
Desertos... desertos só...
E a fome, o cansaço, a sede...
Ai! quanto infeliz que cede,
E cai p'ra não mais s'erguer!...
Vaga um lugar na cadeia,
Mas o chacal sobre a areia
Acha um corpo que roer.

Ontem a Serra Leoa,
A guerra, a caça ao leão,
O sono dormido à toa
Sob as tendas d'amplidão!
Hoje... o porão negro, fundo,
Infecto, apertado, imundo,
Tendo a peste por jaguar...
E o sono sempre cortado
Pelo arranco de um finado,
E o baque de um corpo ao mar...

Ontem plena liberdade,
A vontade por poder...
Hoje... cúm'lo de maldade,
Nem são livres p'ra morrer.
Prende-os a mesma corrente
— Férrea, lúgubre serpente —
Nas roscas da escravidão.
E assim zombando da morte,
Dança a lúgubre coorte
Ao som do açoute... Irrisão!...

Senhor Deus dos desgraçados!
Dizei-me vós, Senhor Deus,
Se eu deliro... ou se é verdade
Tanto horror perante os céus?!...
Ó mar, por que não apagas
Co'a esponja de tuas vagas
Do teu manto este borrão?
Astros! noites! tempestades!
Rolai das imensidades!
Varrei os mares, tufão!...

VI
Existe um povo que a bandeira empresta
P'ra cobrir tanta infâmia e cobardia!...
E deixa-a transformar-se nessa festa
Em manto impuro de bacante fria!...
Meu Deus! meu Deus! mas que bandeira é esta,
Que impudente na gávea tripudia?
Silêncio. Musa... chora, e chora tanto
Que o pavilhão se lave no teu pranto!...
Auriverde pendão de minha terra,
Que a brisa do Brasil beija e balança,
Estandarte que a luz do sol encerra
E as promessas divinas da esperança...
Tu que, da liberdade após a guerra,
Foste hasteado dos heróis na lança
Antes te houvessem roto na batalha,
Que servires a um povo de mortalha!...

Fatalidade atroz que a mente esmaga!
Extingue nesta hora o brigue imundo
O trilho que Colombo abriu nas vagas,
Como um íris no pélago profundo!
Mas é infâmia demais! ... Da etérea plaga
Levantai-vos, heróis do Novo Mundo!
Andrada! arranca esse pendão dos ares!
Colombo! fecha a porta dos teus mares!


O Navio Negreiro - Castro Alves





Recomendamos para você:


O Navio Negreiro - Castro Alves

Real Hitta - Plies feat. Kodak Black

Real Hitta - Tradução em Português

Real Hitta - La traducción en Español

Real Hitta

It Ain't My Fault - Brothers Osborne

It Ain't My Fault - Tradução em Português

It Ain't My Fault - La traducción en Español

It Ain't My Fault

What Ifs - Kane Brown Featuring Lauren Alaina

Feel It Still - Portugal. The Man

My Old Man - Tradução em Português

Canção do exílio - Gonçalves Dias

Relationship - Tradução em Português

First Day Out - Tradução em Português

Billboard Hot 100

It's A Vibe - Tradução em Português

Feels - Tradução em Português

Wild Thoughts - DJ Khaled feat. Rihanna & Bryson Tiller

Wild Thoughts - Tradução em Português

Wild Thoughts - La traducción en Español

Wild Thoughts - Song Lyrics

Sanderlei Silveira

Slippery - Migos Featuring Gucci Mane

Bad And Boujee - Migos Featuring Lil Uzi Vert

Closer - The Chainsmokers ft. Halsey

Mask Off - Future

Chill Bill - Rob $tone ft. J. Davi$ & Spooks

Sanderlei Silveira

Amor é fogo que arde sem se ver

Marabá Poema - Gonçalves Dias

Canção do exílio - Gonçalves Dias

Versos íntimos - Augusto dos Anjos

Ismalia - Alphonsus de Guimaraens

Sanderlei Silveira

A representação do espaço paulista

As festas populares no estado de São Paulo

A organização do espaço geográfico brasileiro

As festas populares em Santa Catarina

O espaço geográfico e sua organização

Os ciclos da economia do Mato Grosso do Sul

Amor é fogo que arde sem se ver - Luís Vaz de Camões

Real Hitta - Plies feat. Kodak Black

It Ain't My Fault - Brothers Osborne

What Ifs - Kane Brown Featuring Lauren Alaina

Feel It Still - Tradução em Português

Relationship - Tradução em Português

First Day Out - Tradução em Português

It's A Vibe - 2 Chainz feat. Ty Dolla $ign, Trey Songz & Jhene Aiko

Feels - Calvin Harris feat. Pharrell Williams, Katy Perry & Big Sean

Wild Thoughts - Tradução em Português

Economia

SONG LYRICS

BÍBLIA ONLINE

DOM CASMURRO

O Diário de Anne Frank – Fotos

HISTÓRIA

HISTORY

HISTORIA

#JustGo

#Sanderlei

#SanderleiSilveira

by Sanderlei Silveira -  http://sanderlei.com.br